Depois de mais de 10 anos, servidores tem reajuste e secretário demonstra superávit

por Fernanda publicado 12/08/2022 13h10, última modificação 12/08/2022 13h10
Sessão foi considerada histórica por levar reajuste salarial a servidores municipais, que não tinham essa correção desde 2010; secretário participou da sessão e desmentiu que haveria déficit de R$ 28 milhões
Depois de mais de 10 anos, servidores tem reajuste e secretário demonstra superávit

Atuação

Com participação do secretário de Administração do Município, Jônatas de França Paiva, e um plenário lotado, a sessão da terça-feira (9) foi apontada como um marco para o funcionalismo e teve discursos fortes por parte dos vereadores. A presença do secretário foi fundamental para esclarecer sobre acusações de que ocorreria um déficit de R$ 28 milhões aos cofres do município, o que foi provado por Jônatas de França Paiva que não ocorrerá, mesmo com o reajuste salarial concedido pelo Executivo Municipal e aprovado na Câmara de Vereadores de Ji-Paraná.  

Para o secretário, a sessão foi histórica e cumpriu um compromisso de campanha do Prefeito Isaú Fonseca, de que nenhum servidor público teria como vencimento básico valor inferior ao salário mínimo. Ele lembrou que mesmo com a correção, nenhum servidor recebia menos que o salário mínimo nos seus vencimentos, já que há gratificações.

Pelos dados demonstrados, há um excesso de arrecadação de R$ 47 milhões em Ji-Paraná, sem nenhum aumento de impostos. Isso porque, como demonstrou o secretário, o município cresce sem parar e, da mesma forma, a arrecadação municipal. Com o reajuste aos servidores, o secretário diz que haverá ainda mais recursos circulando no município, com maior poder aquisitivo, e, assim, a arrecadação também tende a crescer.

O vereador Wanderson Araújo, o Bença (PSB) lembrou que há mais de 10 anos não havia reajuste salarial no município. Lembrou também que outro projeto aprovado, o que cria cargos para atender à administração, vai suprir a falta, por exemplo, de cuidadores de alunos especiais nas escolas, que já vinham com muita dificuldade de atendimento.

Ademilson Procópio (PTB) falou que os cargos também vão suprir a falta de mão de obra na Secretaria de Obras, que já criou outras equipes para atendimento de pontes e bueiros, que estão entre as maiores demandas.

Vera Márcia (PT) agradeceu pela presença da população no plenário e afirmou que é importante a participação popular, já que com a cobrança da comunidade, a tendência da Câmara é errar menos.

Welinton Fonseca (MDB) fez o discurso mais forte da noite, rebatendo críticas de que as medidas adotadas atualmente são eleitoreiras, mas disse que se beneficiar a população, inaugurar a UPA, asfaltar ruas, melhorar a Educação, entregar títulos definitivos de posse de imóveis e outros serviços já oferecidos forem eleitoreiros, que os que querem o quanto pior melhor podem continuar falando.

Lorenil Gomes (PSDB) afirmou que há muita vontade de alguns em induzir a população ao erro, criando inverdades sobre a administração municipal. “O prefeito Isaú está levando asfalto onde nunca teve e isso está incomodando muita gente que quer o quanto pior melhor”. O vereador disse ainda que todo projeto que for para beneficiar associações que fazem trabalho social terá o seu apoio, já que muitas vezes essas instituições fazem o trabalho que o poder público não consegue fazer.

Elvis Gomes (Republicanos) também criticou as acusações de politicagem com os benefícios que estão sendo levados à população e aos servidores municipais, afirmando que isso é o que o prefeito Isaú havia prometido na campanha eleitoral. Para ele, o prefeito está contribuindo para uma cidade melhor e o presidente da Câmara, Welinton Fonseca, comprou a ideia e está apoiando em todas as medidas que façam de Ji-Paraná, uma nova cidade.