Câmara aprova projeto sobre o autismo, como garantiu o presidente Welinton Goes, e superintendente cita ausência da OAB

por Fernanda publicado 29/06/2022 11h36, última modificação 29/06/2022 11h36
Lorenil Gomes fez o discurso mais forte da noite, afirmando que há quem se julgue o paladino da moralidade, mas já tenha jogado a camionete na direção de pedestre porque o desagradou
   Câmara aprova projeto sobre o autismo, como garantiu o presidente Welinton Goes, e superintendente cita ausência da OAB

Aprovado

Como havia sido informado pelo presidente Weliton Goes, na sessão desta terça-feira (28), o projeto que trata da rede de atendimentos a autistas e familiares de autistas foi aprovado. O projeto havia entrado em pauta na sessão anterior, mas por vícios de origem acabou sendo vetado e a Câmara manteve o veto, o que fez com que um novo projeto fosse elaborado. Foram 15 votos favoráveis e duas ausências (Bruno Carvalho- SD- e Elvis Gomes- Republicanos-).

Como a última semana, o superintendente municipal sobre questões do autismo, Robson Casula, falou sobre os porquês de o processo ter sido adaptado. Ele justificou que o projeto direcionava as despesas criadas à Secretaria de Assistência Social, o que vai contra a Constituição Federal, já que apenas os gestores municipais podem indicar fonte de recursos, o que caracteriza invasão de competências sobre a organização da administração municipal. Casula disse ainda que não iria entrar no embate político, mas, como pai de um adolescente autista, lamentou terem usado essa condição para palanque político e que estranhou a seccional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) não ter enviado representantes à sessão desta terça, como ocorreu na última semana. De maneira enfática, o superintendente disse que não houve prejuízo algum aos autistas ou familiares em esperar mais uma semana para a aprovação da lei, já que, nas palavras do próprio Casula “não é a lei que vai mudar o dia a dia das questões envolvendo os autistas e só quem vive isso sabe como é”.

Um dos momentos mais polêmicos da noite foi o discurso de Lorenil Gomes (PSDB), que houve muito ego sobre esse projeto e que não importa o autor, mas sim que a população seja atendida. Ainda falando sobre senso de humildade, disse que há quem se julgue paladino da moralidade, mas em um passado recente, como foi registrado em vídeo, “jogou a camionete na direção de um pedestre porque este estava o desagradando e ainda quer dar uma de bom-moço”.

Como a maioria dos vereadores abriram mão de suas falas, após a aprovação do projeto que trata do autismo, a sessão transcorreu de maneira rápida, com as demais deliberações da ordem do dia.